5 Métodos para Gerir a Osteoartrose

10 - minutos de leitura Publicado em Dor
Escrito por Luke Murray info

A osteoartrose (OA) afeta mais de 250 milhões de pessoas em todo o mundo e é uma das principais causas de incapacidade. As articulações mais frequentemente afetadas são o joelho e a anca. Os fatores de risco para o desenvolvimento de OA incluem traumas articulares prévios, obesidade, idade avançada e sexo feminino. O grande custo e fardo associado à OA destaca a importância de tratamentos eficazes para os indivíduos. O objetivo deste blogue é destacar 5 métodos para te ajudar a ajudar os teus pacientes com OA.

 

1. Correr a Maratona

Sei o que estás a pensar, “Luke, ” treino de maratona”, estás a falar a sério?” Embora eu saiba que nem todos os teus pacientes com OA irão correr a maratona de Londres no próximo Verão, correr, de forma geral, não precisa de estar fora dos planos.

Na revisão da pesquisa de 2018 de Tom Goom, na Revisões de Pesquisa da Physio Network, ele incluiu um estudo em que os autores se debruçaram sobre os efeitos da corrida da maratona no joelho com OA. 1200 participantes que tinham um diagnóstico de OA no joelho, foram divididos em corredores e não corredores e monitorizados durante um período de 10 anos. Os participantes preenchiam os critérios de “corredores” se se dedicassem a correr ou a fazer jogging frequentemente durante aproximadamente 20 minutos de cada vez. Os resultados não revelaram qualquer declínio subjetivo ou radiológico na OA do joelho. De facto, os corredores relataram uma melhoria na dor do joelho em comparação com os não corredores.

Este é um estudo incrivelmente útil para tranquilizar os pacientes que têm um diagnóstico de OA e que estão ansiosos por se dedicarem à corrida. Podemos ajudar a aconselhar os pacientes a continuarem a correr sem receio de mais danos e que pode realmente ser benéfico, para a sua dor, continuarem a correr.

Num outro estudo que foi incluído na revisão de pesquisa por Sandy Hilton, na Revisões de Pesquisa da Physio Network, 115 corredores fizeram uma ressonância magnética aos joelhos antes e depois da maratona de Londres de 2017. Os resultados não mostraram alterações significativas nas condições do joelho, auto-relatadas, ou nas lesões com uma melhoria no edema subcondral da medula óssea.

Contudo, houve outras descobertas na ressonância magnética que não se correlacionaram com nenhum dos sintomas subjetivos. Pode encontrar mais informações sobre este estudo na Revisões de Pesquisa da Physio Network.

 

2. Exercício de Resistência

A OA do joelho está associada à fraqueza das coxas e o exercício de resistência é normalmente utilizado para melhorar a força e reduzir a dor. No entanto, desconhece-se qual a intensidade do treino de força necessária para a reabilitação da OA. O ensaio de controlo aleatório START que foi abordado na revisão de investigação por Todd Hargrove, na Revisões de Pesquisa da Physio Network, visava determinar se o treino de força de alta intensidade reduzia, ou não, a dor no joelho e as forças compressivas nas articulações mais eficazmente do que o treino de baixa intensidade.

O estudo incluiu 377 adultos com dores no joelho, evidência radiográfica de OA e incapacidade auto-relatada. Os participantes foram divididos num grupo de controlo e num grupo de exercício de alta e baixa intensidade. Realizaram 3 sessões por semana durante 18 meses com uma variedade de exercícios unilaterais de membros inferiores, membros superiores e core. O grupo de alta intensidade realizou um bloco de exercícios a 75% de 1RM, progredindo para 90% de 1RM durante 9 semanas, seguido de um abrandamento e depois de um segundo bloco de exercícios. Um novo 1RM foi calculado para o segundo bloco a 75% progredindo para 90% durante o segundo bloco de 9 semanas.

O grupo de baixa intensidade realizou o mesmo padrão, mas com 30% a 40% de 1RM. O terceiro grupo foi um grupo de “controlo de atenção”, que envolveu interação social e educação sanitária sobre nutrição, medicação e sono.

image

Podes surpreender-te por, após 18 meses, não ter havido diferença significativa entre os grupos. Outras provas apoiam a utilização do treino de resistência em várias intensidades e de diferentes durações de programa entre 6-24 semanas para melhorar a dor e a função. No entanto, esta revisão não apoia a ideia de que o aumento da força reduz a dor. Isto significa que não se deve incorporar o treino de resistência como uma intervenção para pacientes com OA? Não necessariamente.

Em vez de vermos isto como “nada funciona”, podíamos ver isto como um potencial para adaptar uma variedade de opções de tratamento à preferência do paciente. Como salientado numa revisão de pesquisa, na Revisões de Pesquisa da Physio Network, o ingrediente chave para qualquer intervenção pode ser a adesão a um plano com diretrizes, em vez dos pormenores específicos do plano. Portanto, se alguém quiser começar a envolver-se no treino de resistência, pode muito bem ser uma boa opção, mas é possível que nem sempre seja essencial para cada paciente com OA de joelho.

 

3. Exercício neuromuscular

O exercício pode ter um efeito analgésico a curto e longo prazo para a OA do joelho. No entanto, não é claro que tipo exato de exercício afeta a sensibilização e intensidade da dor. Todd Hargrove aprofundou um estudo na revisão de pesquisa, na Revisões de Pesquisa da Physio Network, onde os autores pretendiam examinar os efeitos do exercício neuromuscular e da educação com e sem treino de força sobre a intensidade e a sensibilização da dor em doentes com OA do joelho.

O estudo recrutou 90 pessoas com OA do joelho e randomizou-as em 2 grupos. O grupo 1 realizou exercício neuromuscular e educação e o grupo 2 realizou exercício neuromuscular, educação e treino de força. Ambos os grupos fizeram exercícios duas vezes por semana durante 12 semanas.

Os resultados indicaram que o grupo sem treino de força teve uma melhoria mais acentuada na dor do joelho em repouso e durante a função. Os autores concluíram que o exercício neuromuscular e a educação, com e sem treino de força adicional, é uma terapia potente para o OA do joelho. No entanto, o treino de força teve uma melhoria mais significativa no limiar da dor por pressão e no limiar de tolerância à dor.

É interessante ponderar por que razão o grupo de maior intensidade (isto é, treino de força) não proporcionou a mesma quantidade de alívio da dor em comparação com o grupo de baixa intensidade (isto é, exercícios neuromusculares). Uma razão pode dever-se à dosagem inadequada do treino de força. Isto sublinha a importância da prescrição e programação de exercícios adequados para indivíduos com OA, tendo em consideração a sua experiência anterior com treino de resistência.

Para mais informações sobre os métodos e limitações associadas a este estudo, pode consultar a revisão na Revisões de Pesquisa da Physio Network.

 

4. Plasma rico em plaquetas

O plasma rico em plaquetas (PRP) é um produto sanguíneo autólogo contendo elevados níveis de fatores de crescimento e citocinas que podem alterar os processos biológicos implicados na patogénese da OA. Tal como foi coberto por Anthony Teoli na revisão de pesquisa, na Revisões de Pesquisa da Physio Network, o PRP ainda é utilizado clinicamente, apesar das diretrizes da OA recomendarem a não utilização do PRP devido à baixa qualidade das evidências.

Este estudo incluiu 288 participantes com OA do joelho randomizados em 2 grupos. Um grupo recebeu 3 injeções de PRP e o segundo grupo recebeu injeções de soro fisiológico que foi o placebo. Os resultados sugerem que não há diferença entre os grupos no que respeita à dor no joelho ou volume medial da cartilagem tibial aos 12 meses. Curiosamente, ambos os grupos relataram uma melhoria na dor no joelho, mas não foi estatisticamente significativa. Este estudo não apoia a utilização do PRP para retardar a progressão da doença.

No entanto, este estudo contradiz outras pesquisas que mostraram um benefício de PRP nos sintomas de OA do joelho aos 6 meses. Existem múltiplas limitações a esta investigação, o que torna difícil recomendar o PRP. Recomendo vivamente que se verifique a revisão de pesquisa, na Revisões de Pesquisa da Physio Network, para mais informações sobre estes estudos.

 

5. Educação

É inegável agora que o exercício é vital para indivíduos com artrose. Do mesmo modo, a educação é um componente essencial que faz parte da abordagem do tratamento de base na reabilitação da artrose. Anthony Teoli incluiu um artigo de masterclass na sua revisão de pesquisa, na Revisões de Pesquisa da Physio Network, delineando tratamentos-chave e implicações para a fisioterapia em relação à artrose do joelho. O objetivo do artigo era delinear as opções de tratamento mais eficazes para pacientes com OA por autores que são considerados especialistas na matéria.

image

Embora estes artigos possam ser tendenciosos devido à falta de uma estratégia de busca sistemática ou de critérios de inclusão/exclusão, havia uma série de componentes delineados na gestão da OA do joelho. Estes incluíam exercício, perda de peso, educação e estratégias de autogestão, uma vez que demonstraram reduzir a dor e melhorar a função e a qualidade de vida.

As implicações clínicas deste artigo devem ser adaptadas às necessidades específicas do indivíduo com OA do joelho. Por conseguinte, alguns dos componentes educacionais podem não ser relevantes para todos, uma vez que os pacientes podem ter diferentes níveis de compreensão do que é a OA. No entanto, a seguinte lista de verificação pode ser utilizada como guia para a educação dos teus pacientes:

  • Definir OA (em termos simples, fornecendo um prognóstico)
  • Identificar e abordar as crenças e perceções dos doentes sobre a AO
  • Discutir a importância de intervenções relacionadas com o estilo de vida como a perda de peso (se necessário), atividade física regular, nutrição, sono e gestão do stress
  • Educação sobre surtos
  • Explicar a gestão da carga e dosagem da atividade física/exercício
  • Gerir as expectativas, tranquilizar e motivar

Este artigo não se centrou apenas na educação, e para aprender sobre os outros componentes que deveriam fazer parte do tratamento de primeira linha da OA (e quais as modalidades passivas que poderá querer evitar) consulte a revisão de pesquisa, na Revisões de Pesquisa da Physio Network.

 

Envolvimento

Este blogue descreve 5 métodos para gerir a osteoartrose. Esta não é, de forma alguma, uma lista exaustiva. Se quiser mais informações sobre estes estudos e aprender muito mais, consulte a Revisões de Pesquisa da Physio Network.

📚 Mantenha-se na vanguarda da investigação em fisioterapia!

📆 Todos os meses a nossa equipa de peritos divide a investigação clinicamente relevante em resumos de cinco minutos que pode aplicar imediatamente na prática clínica.

🙏🏻 Experimente agora as nossas Revisões de Investigação, grátis durante 7 dias!

preview image

Não te esqueças de compartilhar este blog!

Deixa um comentário

Se tiveres alguma questão, sugestão ou algum link de uma investigação relacionada com o tema, partilhe abaixo!

Deves estar com o login feito para publicar ou gostar de um comentário.

Aumenta o teu Conhecimento Todos os Meses

Acede gratuitamente a blogues, infogréficos, revisões de pesquisa, podcasts e mais