Porque É Que A Postura E A Dor Não Estão Diretamente Relacionadas

9 - minutos de leitura Publicado em Dor
Escrito por Ben Cormack info

Se eu ganhasse uma moeda por cada pessoa que mencionasse a postura nas redes sociais ou quando tivesse um problema de dor…… bem, digamos que eu seria um tipo bastante rico.

A POSTURA ficou literalmente enraizada no pensamento das pessoas quando se fala de dores nas costas, nos ombros ou no pescoço, apesar de termos uma tonelada de estudos que comparam as posturas de pessoas sem dores com as de pessoas com dores e não encontraram diferenças reais, esta informação é regularmente IGNORADA.

NUNCA deixemos que a ciência se meta no caminho de uma boa história, especialmente se for na Internet!

De facto, já escrevi algumas vezes sobre a postura 🙂

O guia completo sobre a postura e a dor 3 minutos

Precisas mesmo que as tuas articulações estejam centradas?

Mas só para começar com um pouco de ciência, um artigo na Physio Network de 2016 não encontrou nenhuma diferença significativa na lordose lombar (curva da coluna vertebral) entre pessoas com dor nas costas e aquelas sem.

Isto é muito importante. COMO é que podemos culpar algo que vemos em pessoas SEM dor como causa de dor?

Vou deixar que isto se entenda……

 

O QUE É QUE SE ESTÁ A MEDIR?

Neste blogue, vamos explorar algumas questões relacionadas com a forma como avaliamos a postura e se elas são realmente cientificamente VÁLIDAS, porque se não tivermos uma boa avaliação para começar, então é muito difícil culpar algo pelo problema.

A primeira peça da EVIDÊNCIA ACTUAL, algo que muitas vezes falta no debate sobre a postura, analisa a medição da LORDOSE LOMBAR EM PÉ (a curva nas costas frequentemente culpada pelas dores de costas) e esta avaliação é algo que é realizado em salas de tratamento e ginásios em todo o mundo.

A teoria é que um aumento (e por vezes uma diminuição) da curvatura lombar aumenta as dores nas costas e é frequentemente associada à ideia de que a inclinação da pélvis influencia o tamanho da curvatura lombar, apesar de as curvatura lombares não parecerem ser um fator importante nas dores lombares (ver a CIÊNCIA acima : )

Já em 1990, esta questão foi explorada por Heino et al., num artigo na Physio Network e foi descoberto que o ângulo de inclinação pélvica de uma pessoa e a sua curvatura lombar não estão simplesmente correlacionados! Assim, olhar para a posição da pélvis diz-nos muito pouco sobre o que está a acontecer na coluna lombar, que é muito mais difícil de medir. Um estudo muito semelhante, num artigo na Physio Network, antes deste, em 1987, também apresentou o mesmo resultado, mas esta disparate continua a ser ensinado atualmente.

De qualquer forma, voltemos ao artigo da Physio Network, sobre a medição em pé. Os autores exploraram a variabilidade na postura de pé de 400 pessoas, 332 sem dor e 83 com dor lombar, e descobriram que cada vez que nos levantamos, fazemo-lo de uma forma ligeiramente diferente.

Os autores, nas suas palavras, afirmam que “a forma de estar de pé é altamente individual e pouco reprodutível“.

Então, porque é que isto é importante?

Bem, simplificando, qual é que é a postura que se está REALMENTE a medir com a avaliação postural. Uma pode mostrar um aumento da lordose, outra menos.

Tenho algumas questões relacionadas com a forma como interpretamos as avaliações posturais à luz desta informação.

  • Qual destas posturas está relacionada com o problema?
  • Quantas vezes é que se mede e qual é a média?
  • Com o que é que se compara para determinar se a curva é excessiva ou insuficiente?

Os autores salientam que a falta de consistência na postura de pé pode, de facto, levar a um “diagnóstico errado e, possivelmente, a um tratamento desnecessário”.

Se nos concentrarmos em algo que não é um problema, não nos concentramos em outra coisa que possa ser ou ficamos cegos para o facto de não estar a funcionar ou de funcionar apenas transitoriamente (potencialmente, é por isso que muitas dores nas costas são persistentes).

O que as pessoas realmente usam na sua vida quotidiana também pode ser diferente do que é medido na clínica ou no ginásio. Uma medida efetuada numa clínica ou num ginásio pode ser descrita como “instantânea” e um estudo, de um artigo na Physio Network, comparou essa “instantânea” com o que foi realmente utilizado diariamente pelos participantes no estudo.

Os autores descobriram que, em média, na posição de pé, como acontece na maioria das avaliações posturais, havia uma lordose lombar de 33,3°, mas a média utilizada durante um período de 24 horas foi de apenas 8°, uma diferença enorme!

Assim, a avaliação postural “instantânea” não nos informaria muito bem sobre a quantidade de lordose que estava REALMENTE a ser utilizada e poderíamos sobrestimar a extensão do problema imaginário 🙂

Também temos de nos lembrar que estas foram medidas radiológicas e que este é o “padrão de ouro” clínico. Muitas vezes, uma lordose é medida de uma forma muito mais rudimentar, observando a relação dos pontos de referência na pélvis, indicando uma inclinação pélvica e, por conseguinte, uma alteração na curvatura lombar, que já discutimos como não estando bem relacionada! Isto, por si só, é um problema, como demonstrado por Preece num artigo na Physio Network em 2008, uma vez que a morfologia pélvica também é VARIÁVEL, levando a medidas incorretas.

“Estes resultados sugerem que as variações na morfologia pélvica podem influenciar significativamente as medidas da inclinação pélvica e da assimetria rotacional inominada”

Aqui está a distribuição da diferença lado a lado da relação EIAS-EIPS (utilizada para avaliar a inclinação pélvica), podemos ver que está inclinada para o lado direito, o que significa que está mais em báscula anterior.

image

Portanto, pode ser que sejamos realmente maus a medir algo que não tem assim tanta importância. OUCH.

 

É TENDENCIOSO?

Outra questão importante para aqueles que avaliam a postura é: ……. Há mais tendência para ver uma “anormalidade” na postura quando se sabe que há dor?

Num artigo na Physio Network, os autores analisaram a discinesia escapular ou postura e movimento anormais da omoplata, que é frequentemente proposta como CAUSA da dor no ombro.

Compararam 67 pessoas com dor no ombro e 68 sem dor e, em primeiro lugar, descobriram que não havia diferença na postura ou movimento do ombro entre as pessoas com dor e as sem dor.

Curiosamente, quando os avaliadores estavam conscientes de que estavam a avaliar alguém COM DOR, referiram uma maior prevalência de um problema postural ou de movimento. Isto mostra uma tendência para encontrar uma “anomalia” a culpar quando há dor, apesar de não haver MAIS “anomalias” nas pessoas com dor do que nas que não têm dor.

Os autores sugerem também que a discinesia escapular representa, de facto, uma variabilidade normal entre os seres humanos! Talvez se a avaliassem várias vezes, surgiriam medidas diferentes de cada vez?! É importante lembrar que não temos uma “boa postura” cientificamente definida para basear os desvios.

 

COMO É QUE AS PESSOAS SAUDÁVEIS SE SENTAM?

Outra questão é como é que as pessoas sem dores nas costas se comportam de facto? Devem ter uma excelente postura no dia a dia, certo? Bem, na verdade NÃO.

Um artigo na Physio Network, mostra que as pessoas assintomáticas, 50 delas, quando se sentam, de facto, inclinam-se. Em 10 minutos sentados, os ângulos da coluna vertebral fletiram 24 graus na região lombar e 12 graus na região toracolombar em relação à postura de pé. Mas esta inclinação não parece causar-lhes problemas.

Assim, as alterações na curvatura da coluna parecem não estar relacionadas com a dor, como podemos ver abaixo.

image

 

ENTÃO, SE A POSTURA NÃO SE CORRELACIONA REALMENTE COM A DOR, COM O QUE É QUE SE CORRELACIONA?

Bem, um artigo na Physio Network, mostra que as alterações do alinhamento da coluna cervical estão efetivamente correlacionadas com a idade. Este estudo dividiu os participantes em 4 grupos determinados pela idade. Descobriram que as medidas dos ângulos do pescoço estavam todas correlacionadas com o aumento da faixa etária dos 4 grupos.

O ponto-chave a ter em conta aqui é que todos os participantes, 120 deles, não tinham dores. De facto, os critérios de exclusão foram bastante rigorosos e os autores excluíram 64 pessoas, ou seja, 1/3 da amostra original, por terem dor atual ou antecedente.

Por isso, simplificando, à medida que envelhecemos a nossa postura torna-se “pior” ou, melhor dizendo, a nossa postura aumenta….MAS e este é um grande MAS, isto não parece causar MAIS dor.

Resumindo, não parece ser tão simples como “má” postura = dor, independentemente do que se leia ou do que se diga num bar, ginásio ou consultório.

 

Para saber mais sobre os fatores que contribuem ou não para a dor lombar, consulta a minha Masterclass sobre Exercício e Dor: Explorando uma Relação Complexa, na Physio Network.

 

PRINCIPAIS CONCLUSÕES

  • As pessoas com dor NÃO têm posturas diferentes das pessoas que não têm dor
  • A postura apresenta variabilidade, tal como o movimento
  • Isto significa que a tua avaliação pode não te dizer o que pensas que ela diz
  • A tua avaliação pode ser tendenciosa para encontrar um “problema” postural
  • As posturas utilizadas ao longo do dia são provavelmente diferentes das que estão a ser avaliadas
  • À medida que envelhecemos, a nossa postura altera-se e isto também acontece às pessoas que NÃO sofrem de dores

Este artigo foi originalmente publicado no Website do Ben Cormack. Pode clicar aqui para ler mais blogues da sua autoria.

📚 Mantenha-se na vanguarda da investigação em fisioterapia!

📆 Todos os meses a nossa equipa de peritos divide a investigação clinicamente relevante em resumos de cinco minutos que pode aplicar imediatamente na prática clínica.

🙏🏻 Experimente agora as nossas Revisões de Investigação, grátis durante 7 dias!

preview image

Não te esqueças de compartilhar este blog!

Deixa um comentário

Se tiveres alguma questão, sugestão ou algum link de uma investigação relacionada com o tema, partilhe abaixo!

Deves estar com o login feito para publicar ou gostar de um comentário.

Aumenta o teu Conhecimento Todos os Meses

Acede gratuitamente a blogues, infogréficos, revisões de pesquisa, podcasts e mais