3 Razões Que Explicam Porque É Que Um Tratamento Funciona

8 - minutos de leitura Publicado em Outro
Escrito por Todd Hargrove info

Porque é que uma pessoa se sente melhor depois de uma massagem? Ou de acupunctura? Ou de uma massagem de rolamento? Ou um tratamento quiroprático, ou usar K-tape, ou fazer exercícios de mobilidade, ou um alongamento dos isquiotibiais?

Há algumas boas respostas para estas perguntas, e o interessante que gostaria de salientar neste post é que, muitas vezes, o terapeuta não as conhece. Ou nem sequer se preocupa com elas! Ou talvez o terapeuta tenha ouvido as boas respostas, mas prefere as más respostas alternativas que são muito menos plausíveis dado o estado atual da ciência relevante.

Por falar em más explicações: A massagens de rolamento provavelmente não funcionam através da eliminação de aderências ou do descolamento da fáscia. A manipulação quiroprática não coloca as articulações que estão “fora” novamente para “dentro”. A massagem profunda não elimina as toxinas ou os “nós musculares“. A acupunctura não acede a pontos ou meridianos especiais – colocar as agulhas em sítios aleatórios funciona igualmente bem. Algumas cirurgias fictícias funcionam tão bem como as verdadeiras. Os exercícios de controlo motor funcionam frequentemente para reduzir a dor, apesar de o controlo motor não ter mudado.

Nada disto significa que os tratamentos acima referidos não possam funcionar para fazer alguém sentir-se melhor. Significa apenas que não funcionam da forma publicitada. E não, isto não significa que tudo seja apenas placebo (essa é uma palavra confusa sem um significado claro).

Em geral, parece que os terapeutas têm uma forte tendência para a ideia de que estão a resolver “problemas nos tecidos”. E tendem a ignorar os problemas dos sistemas mais complexos do corpo – nervoso, imunitário, autónomo – que são muito sensíveis mesmo a pequenos estímulos e têm uma grande influência na forma como nos movemos e sentimos. Talvez isto se deva ao facto de estes sistemas serem menos visíveis, ou tangíveis, ou simplesmente não terem sido abordados pelos profissionais quando andavam na escola.

Eu fui treinado como Rolfer e aprendi que o Rolfing funciona mudando a fáscia. Por isso, quando as pessoas se levantavam da marquesa e diziam que se sentiam mais altas, mais soltas ou com menos dores, era porque a sua fáscia tinha de alguma forma mudado para melhor.

Depois de fazer alguma pesquisa sobre a deformabilidade da fáscia em resposta à pressão manual, decidi que esta não era uma boa explicação para as nossas observações. Uma melhor explicação envolveria o sistema nervoso, que está constantemente a ajustar a tensão muscular, os padrões de movimento, a perceção e a sensibilidade à dor em resposta a novas informações sensoriais, incluindo as informações sensoriais altamente inovadoras causadas pelo trabalho corporal.

É claro que é um pouco chato saber que uma base principal da tua formação está incorreta. Mas a boa notícia é que isso não significa que as pessoas não possam ser ajudadas com o teu tratamento. Essa é uma questão completamente diferente. Então a minha atitude foi – OK, não é sobre a fáscia, mas isso não significa que eu não possa ajudar as pessoas.

Mas para muitos Rolfistas tem que ser apenas sobre a fáscia. E para os quiropráticos tem de ser sobre a subluxação, e para os praticantes de Reiki tem de ser sobre a energia, e para outros tem de ser sobre a postura, ou a força da core, ou desequilíbrios musculares, ou padrões de movimento.

E, claro, muitos outros dirão: “Não me interessa como é que o tratamento funciona, só sei que funciona, por isso, quem quer saber porquê?”

 

Aqui estão três razões pelas quais é importante saber porque é que o teu tratamento funciona.

1. Se souberes como é que algo funciona, podes fazer com que funcione melhor

Isto deveria ser óbvio. Se soubermos onde está o alvo, é mais fácil acertar nele.

Vamos supor que os alongamentos ou as massagens funcionam para criar uma melhor amplitude de movimentos, fazendo com que os músculos relaxem (suficientemente razoável, certo? E apoiado pela investigação!).

Mas se pensarmos que funciona através da quebra forçada de aderências ou do alongamento físico dos tecidos, podemos perder a concentração no facto de os nossos clientes se manterem relaxados.

Quando trabalho com alguém, pergunto sempre “como é que se sente?” Eis uma resposta comum dos clientes que pensam que tudo se resume à fáscia: “Não se preocupe comigo, tenho uma tolerância à dor muito elevada, faça apenas o que tem de fazer.”

E eu penso para mim próprio: “Bem, preciso de saber como se sente porque esse é um dos principais objetivos deste trabalho.” Mas se o meu objetivo fosse desfazer a fáscia ou os nós musculares, então, de facto, não me importaria com o que sentem. E não estaria a fazer um trabalho tão bom.

 

2. Consequências não intencionais

Imaginemos que uma pessoa com dores no pescoço vai ao quiroprático, é-lhe dito que o pescoço está ” deslocado”, é-lhe dado um estalo para o voltar a colocar ” no sítio”, e depois sente-se imediatamente muito melhor. Qual é o mal se a pessoa pensar que o alívio da dor veio de alguma forma do realinhamento?

Talvez a curto prazo não haja mal nenhum, mas as falsas crenças têm uma forma maliciosa de acabar por causar problemas a longo prazo.

Digamos que a dor no pescoço volta. A cliente pensa que o seu pescoço deve estar ” deslocado ” outra vez e por isso precisa de outra manipulação. Por isso, ignora outras soluções potenciais, como o exercício, o descanso ou movimentos suaves. Se a dor no pescoço continuar, a cliente pode eventualmente desenvolver a crença patológica de que o seu pescoço é frágil e instável. Isto pode ter um efeito nocebo – criando mais dor e evitando movimentos saudáveis.

Já vi muitos clientes com ideias erradas semelhantes, e isso custou-lhes muito tempo, dinheiro, ansiedade e confusão.

E não estou a falar apenas dos clientes dos quiropráticos.

Já vi praticantes de ioga que estão sempre a alongar; praticantes de Pilates que estão sempre a estabilizar; praticantes de exercícios corretivos que procuram desequilíbrios musculares microscópicos; adeptos da mobilidade articular que estão sempre a mobilizar, como se as suas articulações precisassem de um banho constante de líquido sinovial, ou começassem a unir-se com uma espécie de “penugem” fascial após alguns minutos de paragem. A ferrugem nunca dorme!

Todos estes comportamentos patológicos resultam, em última análise, de falsas crenças sobre a razão pela qual determinadas terapias funcionaram para eles no passado. Estas crenças agrupam-se em torno da ideia de que corrigiram “problemas nos tecidos” em vez de ajustarem temporariamente a sensibilidade do sistema nervoso.

A conclusão é que as falsas crenças, por mais pequenas que sejam, são como os vírus – multiplicam-se, são transmitidas a outros, sofrem mutações para formar super-insectos e podem eventualmente causar doenças. Não as espalhem, pessoal!

 

3. A verdade importa

A verdade tem um valor evidente, mesmo quando a sua aplicação prática não é imediatamente óbvia. O conhecimento é sempre poderoso – para nós, para os nossos clientes e para toda a comunidade.

Ainda não sabemos exatamente porque é que as pessoas têm dores crónicas e quais as melhores formas de as tratar.

Mesmo que esse conhecimento ainda não tenha sido criado, isso não significa que seja inútil aprender mais. Cada passo para longe da desinformação e da confusão é um passo na direção da verdade.

Sejamos realistas. A verdade é boa e a ignorância é uma treta. Aqui estão algumas citações de pessoas inteligentes para o provar.

“Todos os males são causados pela falta de conhecimento.”

– David Deustch

“Acho que é muito mais interessante viver sem saber do que ter respostas que podem estar erradas.” 

— Richard Feynman

“Não é o que não se sabe que nos mete em sarilhos. É o que sabes com certeza que não é assim.”

— Mark Twain

 “A verdade vai libertar-te, mas primeiro vai irritar-te.” 

– Joe Klaas

Muito obrigado aos meus leitores e aos membros da minha comunidade nas redes sociais, que são pensadores, céticos e não têm medo de seguir onde as evidências os levam.

Este artigo foi originalmente publicado no website de Todd Hargrove. Pode clicar aqui para ler mais blogues dele.

📚 Mantenha-se na vanguarda da investigação em fisioterapia!

📆 Todos os meses a nossa equipa de peritos divide a investigação clinicamente relevante em resumos de cinco minutos que pode aplicar imediatamente na prática clínica.

🙏🏻 Experimente agora as nossas Revisões de Investigação, grátis durante 7 dias!

preview image

Não te esqueças de compartilhar este blog!

Deixa um comentário

Se tiveres alguma questão, sugestão ou algum link de uma investigação relacionada com o tema, partilhe abaixo!

Deves estar com o login feito para publicar ou gostar de um comentário.

Aumenta o teu Conhecimento Todos os Meses

Acede gratuitamente a blogues, infogréficos, revisões de pesquisa, podcasts e mais