5 Testes que não podem faltar para o regresso à atividade após reconstrução do LCA

10 - minutos de leitura Publicado em Joelho, Tendões
Escrito por Luke Murray info

As ruturas do LCA são uma das lesões mais comuns do joelho no desporto. São normalmente lesões sem contacto onde há uma rápida carga em flexão, grandes graus de valgismo e rotação do joelho. Pense nisso como um mecanismo ” espetar e torcer” ou ” plantar e rodar”. As taxas de recidiva do LCA são elevadas e resultam numa longa reabilitação para o atleta/paciente. Devido às elevadas taxas de recidiva, é essencial que os profissionais de saúde realizem testes adequados aos seus atletas, de modo a otimizar os processos de reabilitação e de regresso à atividade.

O regresso ao desporto tem alguns critérios básicos não negociáveis, que Mick Hughes cobre numa revisão de investigação, na Revisões de Pesquisa da Physio Network, tais como dor <2/10, 95% de flexão do joelho do lado não lesionado com extensão total e sem qualquer derrame. O objetivo deste blogue é destacar testes que os profissionais de saúde poderiam considerar como parte do regresso à atividade.

 

1) Força do Quadricípite

Embora provavelmente não precisasses de ler um blogue para compreender a importância da força do quadricípite na reabilitação do LCA, surpreendentemente, é muitas vezes negligenciada. Como afirmou o Dr. Jarred Boyd numa revisão de investigação, na Revisões de Pesquisa da Physio Network, atribuir “atenção à recuperação isolada da força do quadricípite” é vital, dado que a capacidade do quadricípite está associada à elevada pontuação do International Knee Documentation Committee Scores (IKDC), uma medida de resultados relatada pelos pacientes.

O estudo revisto foi um desenho transversal, incluindo 48 pacientes fisicamente ativos após 5 meses de RLCA. Foi avaliada a resistência isométrica do quadricípite, saltos simples para frente e IKDC. Os resultados revelaram uma fraca capacidade do quadricípite, com um torque máximo e LSI de 37,5% e 41,7% respetivamente.

A incapacidade de resolver a resistência pós-cirúrgica aumentará a suscetibilidade a lesões futuras. Na reabilitação em fase tardia, os exercícios de salto são frequentemente utilizados para facilitar o regresso ao desporto, mas podem fornecer uma avaliação inexata da força do quadricípite. A progressão para o salto, sem força suficiente do quadricípite unilateralmente, pode levar a alterações de cinemática do joelho, anca e tornozelo. Isto realça a importância de estabelecer a capacidade e simetria do extensor do joelho, reduzindo a potencial suscetibilidade a lesões futuras e a reintegração no desporto.

image

Por esse motivo, a avaliação e o tratamento da força da extensão do joelho, quer se utilize um dinamómetro ou a repetição máxima no ginásio, é essencial para o sucesso no regresso ao desporto. Da próxima vez que alguém lhe disser que a avaliação da extensão isolada do joelho e a reabilitação não é “funcional”, pode consultar a revisão de investigação na Revisões de Pesquisa da Physio Network.

 

2) Os Opositores do LCA

Embora a força da extensão do joelho seja essencial, não são os únicos músculos que contribuem para a carga do LCA.

Num estudo revisto pelo Dr. Teddy Willsey, na Revisões de Pesquisa da Physio Network, os autores visaram identificar como é que os músculos específicos dos membros inferiores contribuem para a carga do LCA. Especificamente, identificaram que os isquiotibiais, solhar e glúteo médio parecem ter maior capacidade de se oporem à carga do LCA enquanto o quadricípite e os gémeos induzem maior carga no LCA.

Isto significa que é necessário ter o mais recente dinamómetro isocinético para avaliar estes músculos individualmente? Desde que seja capaz de avaliar e seguir objetivamente as mudanças quantitativas ao longo do tempo, com o objetivo de facilitar o retorno ao desporto, não penso que seja essencial. Em vez disso, poderá realizar um máximo de 6-8RM no leg press, flexão do joelho sentado ou deitado e levantar o calcanhar em pé ou sentado. O acompanhamento das mudanças ao longo do tempo e o objetivo de obter >90% do membro não lesionado, em todas as avaliações, será benéfico para reduzir as lesões a longo prazo e assegurar uma evolução segura ao longo das fases de reabilitação.

Contudo, houve algumas limitações significativas nos métodos de estudo, que pode ler na revisão da investigação, na Revisões de Pesquisa da Physio Network.

Num outro estudo revisto por Mick Hughes, na Revisões de Pesquisa da Physio Network, os autores recomendaram um critério de LSI dos isquiotibiais >70% do membro não lesionado. Eles também recomendaram a avaliação do agachamento unilateral ou o teste step-up, controlando qualquer aumento de valgismo do joelho.

 

3) Salto para a Frente

O processo de regresso à atividade é um desafio e uma bateria de testes funcionais pode ajudar a minimizar o risco de lesões e a maximizar o desempenho. Uma componente popular dos testes funcionais inclui testes de salto devido à sua facilidade de aplicação e pontuação. Uma revisão da investigação pelo Dr. Travis Pollen, na Revisões de Pesquisa da Physio Network, analisou um estudo cujo objetivo era examinar a utilidade dos testes de salto para o regresso à tomada de decisões desportivas. Num teste de salto, a distância total de salto do membro em causa é dividida pela distância de salto do membro não envolvido e multiplicada por 100. Um índice de simetria de membro de 90% é considerado o critério de aprovação.

image

Os testes de salto consistem em: salto de uma perna para distância, salto triplo para distância, salto cruzado para distância e salto cronometrado de seis metros. No entanto, os autores salientaram que avaliar todos os 4 pode ser redundante e incluir 2 dos quatro pode ser a melhor opção de aproveitamento do tempo. Devido à falta de acordo quanto aos testes a escolher, os testes mais apropriados são os mais relevantes para as exigências do desporto de cada atleta.

Pode até ser mais relevante avaliar o salto em rotação ou o salto vertical para o teu atleta, apesar da falta de evidência destes testes na literatura. Evidentemente, não se trata apenas da distância saltada, mas também da qualidade do movimento. Isto sublinha a importância de utilizar múltiplos resultados para determinar a prontidão para regressar ao desporto. No entanto, houve numerosas limitações desta revisão, sobre as quais se pode ler na Revisões de Pesquisa da Physio Network.

 

4) Salto Vertical

Os saltos verticais podem ser uma avaliação mais específica da função do joelho do que os saltos horizontais. Por exemplo, nos saltos horizontais, a descolagem com mais flexão da anca pode resultar num bom índice de simetria dos membros, mas isto pode dever-se às maiores exigências da musculatura da anca em flexão da anca, mascarando assim quaisquer défices no joelho. Numa recente análise de investigação de Sam Blanchard, na Revisões de Pesquisa da Physio Network, ele analisou um estudo que visava delinear se o salto vertical é um método mais simples de avaliar a função do joelho e o regresso ao desporto.

Os autores dividiram 48 participantes em dois grupos, 26 atletas com RLCA que tinham sido autorizados a regressar ao desporto e 22 controlos. Recolheram dados que envolviam o salto de contramovimento com uma única perna (single leg countermovement jump) e a fase reativa de um salto em queda com uma única perna (single leg drop jump). Curiosamente, o grupo RLCA demonstrou 83% e 77% de simetria para a altura do salto em contramovimento e o salto em queda. Em contraste, o controlo demonstrou 98% e 100%, respetivamente.

image

Tendo em conta os défices acima referidos, será suficiente mantermos o nosso critério atual de regresso ao desporto? Não avaliar os saltos verticais e confiar apenas nos saltos horizontais, onde a simetria pode ser alcançada apesar dos défices, pode levar a resultados mais fracos após a RLCA. Os saltos verticais exigirão mais da articulação do joelho, o que é mais relevante para as lesões do LCA, dado que parecem ocorrer em 20-30 graus de flexão do joelho. Um controlo suficiente da flexão do joelho é essencial para reduzir as estratégias de compensação da anca e do tronco, salientando a importância do quadricípite, dos isquiotibiais e do solhar.

Tal como referido na revisão da investigação, os programas de reabilitação da RLCA devem visar o fortalecimento do solhar para melhorar os resultados da performance. Para mais detalhes sobre os métodos, juntamente com vídeos das avaliações realizadas no estudo, ver a revisão da investigação na Revisões de Pesquisa da Physio Network.

 

5) Prontidão psicológica

Está bem documentado que a RLCA não garante um regresso ao desporto. Dada a falta de confiança e o receio de recidiva, uma outra área que não pode ser ignorada, é a prontidão psicológica para o regresso ao desporto. Uma revisão da investigação feita por Mike Hughes, na Revisões de Pesquisa da Physio Network, explorou um estudo que analisou estes fatores 1 ano após a operação.

Este estudo incluiu 124 atletas que tinham sido submetidos a uma RLCA primária. Todos os participantes foram submetidos a um programa padronizado de reabilitação e foram autorizados a regressar ao desporto dentro de 8-10 meses. Os participantes só podiam regressar ao desporto se conseguissem uma ROM simétrica, tivessem uma estabilidade adequada do joelho e não tivessem derrames. Com 1 ano de pós-operatório, foi aplicado um questionário de preparação psicológica para o regresso ao desporto (questionário ACL-RSI) juntamente com a força isocinética do quadricípite e dos isquiotibiais, com a distância de salto de uma perna e a qualidade de vida.

Com 1 ano de seguimento, 23 atletas não regressaram à sua condição de pré-lesão. 78% destes atletas indicaram receio de recidiva como a razão pela qual não tinham regressado. Enquanto que as medidas físicas são essenciais para a prática da modalidade como parte da reabilitação, as medidas psicológicas também o são. Quanto menor a confiança e maior o medo de recidiva, maior é o risco de uma segunda lesão do LCA.

Para ler mais sobre os resultados e limitações do estudo, consulte a revisão da investigação aqui na Revisões de Pesquisa da Physio Network.

Envolvimento

Esta é uma lista não exaustiva de resultados que podem ou não ser relevantes para o regresso do teu atleta ao desporto. Para ler mais detalhes e assegurar que estás confiante na avaliação dos atletas após RLCA, verifica as revisões da investigação para informação detalhada sobre o tópico.

📚 Mantenha-se na vanguarda da investigação em fisioterapia!

📆 Todos os meses a nossa equipa de peritos divide a investigação clinicamente relevante em resumos de cinco minutos que pode aplicar imediatamente na prática clínica.

🙏🏻 Experimente agora as nossas Revisões de Investigação, grátis durante 7 dias!

preview image

Não te esqueças de compartilhar este blog!

Deixa um comentário

Se tiveres alguma questão, sugestão ou algum link de uma investigação relacionada com o tema, partilhe abaixo!

Deves estar com o login feito para publicar ou gostar de um comentário.

Aumenta o teu Conhecimento Todos os Meses

Acede gratuitamente a blogues, infogréficos, revisões de pesquisa, podcasts e mais