Síndrome da Banda Iliotibial – Uma revisão da evidência

5 - minutos de leitura Publicado em Joelho

Um estudo recente teve como objetivo explorar as evidências em torno da Síndrome da Banda Iliotibial, em termos de patologia e gestão.

Analisámos este estudo na última edição das nossas Revisões de Investigação – onde os especialistas do sector analisam os estudos mais recentes e clinicamente relevantes, para aplicação imediata na prática clínica.

O que se segue é um excerto dessa análise.

Gostaste do teor destas Revisões de Investigação? – Sabe mais AQUI

 

De volta ao estudo!

 

TÍTULO DO ESTUDO: Patologia da banda iliotibial: sintetizar as evidências disponíveis para o progresso clínico – Geisler P (2020)

Estudo revisto por Tom Goom na edição de março de 2021 da revista Research Reviews

 

Pontos-chave do estudo

  • Pensa-se que a síndrome da banda iliotibial (SBIT) é uma patologia de compressão de estruturas sensíveis e não de fricção.
  • A banda iliotibial não pode ser alongada e, por isso, o tratamento não se deve centrar no alongamento.
  • A força e o controlo da anca são considerados elementos-chave do tratamento.

 

Contexto e objetivo

Pensa-se que a SBIT é a causa mais comum de dor lateral do joelho e, no entanto, é uma patologia mal compreendida e drasticamente pouco estudada! Esta revisão da literatura procurou examinar toda a informação disponível para fornecer uma visão geral das ideias atuais sobre a patologia e o tratamento.

 

Patologia

Durante algum tempo, a SBIT foi considerada uma “síndrome de fricção”, pensando-se que a BIT provocava fricção nas estruturas por baixo da mesma, levando à dor. Contudo, estudos mais recentes sugerem que a patologia da BIT tem mais probabilidade de envolver a compressão de estruturas sensíveis por baixo da BIT do que a fricção. Esta distinção é importante, pois tem influenciado o tratamento, que tem sido orientado para o alongamento da BIT (para reduzir a fricção) e para injeções de esteroides para reduzir a inflamação (por exemplo, na bursa).

 

Não se pode esticar a BIT!

A BIT é uma estrutura forte e complexa com múltiplas ligações ao longo do fémur e distalmente à volta do joelho. Proporciona estabilidade às articulações da anca e do joelho e pensa-se que armazena e liberta energia como uma mola. A ideia atual é que: a) não é possível alongá-la; e b) de qualquer forma, não é desejável fazê-lo!

 

Opções de reabilitação

Pensa-se que a perda de força e de controlo em relação à anca é fundamental para o desenvolvimento da SBIT, especialmente a fraqueza na abdução e rotação externa da anca e o aumento da adução da anca durante a carga (por exemplo, corrida). O erro de treino também é considerado um fator em mais de 60% dos casos.

O tratamento deve ter como objetivo primeiro acalmar os sintomas e depois abordar os fatores causais. O autor sugere um programa progressivo de 3 níveis:

  • Nível 1 – Baixa carga, sobretudo exercícios em cadeia aberta (como abduções em decúbito lateral, rotações externas em decúbito lateral e reforço da extensão da anca, por exemplo, pontes de glúteos)
  • Nível 2 – Carga moderada, exercícios de cadeia fechada (como mini-agachamentos, lunges e step ups)
  • Nível 3 – Exercícios de carga mais elevada, incluindo impacto e preparação para o desporto (tais como agachamentos goblet, agachamentos unipodais e pliometria)

 

Limitações

As revisões da literatura podem fornecer uma visão geral útil do pensamento atual, mas temos de reconhecer a falta de ensaios clínicos de alta qualidade que demonstrem a eficácia das abordagens recomendadas.

 

Implicações clínicas

Este documento ajuda a desenvolver a nossa compreensão da patologia e das opções de tratamento da SBIT e pode desafiar as abordagens comuns, como os alongamentos e as massagens. Os princípios da reabilitação progressiva e da abordagem das causas potenciais devem ser adaptados às necessidades individuais.

Nos doentes com adução excessiva da anca durante a corrida ou com uma largura da passada muito reduzida, podemos concentrar-nos mais no treino de marcha com sugestões para resolver este problema. O nosso tratamento deve também incluir um regresso gradual às atividades-alvo com base nos sintomas. Inicialmente, pode ser necessário reduzir ou modificar tipos de treino mais exigentes, como a corrida em declives ou corridas de longa duração, antes de os reintroduzir gradualmente à medida que os sintomas o permitam.

Grande parte da literatura centra-se em questões biomecânicas que conduzem à sobrecarga da BIT, no entanto, os fatores psicossociais também devem ser considerados, especialmente as crenças sobre a lesão e a dor, bem como as crenças inúteis sobre o treino.

image

Eis o resultado deste artigo na nossa edição de março.

 

Queres poupar tempo e não ter de te preocupares com um monte de estudos?

Deixa-nos fazer o trabalho duro por ti!

Todos os meses resumimos 12 dos estudos mais recentes e clinicamente relevantes em fisioterapia, para aplicação imediata na clínica.

Aqui estão os outros 11 estudos da nossa edição de março que acabou de ser publicada:

  • Treino de Força vs Alongamento para a Amplitude de Movimento
  • Morfologia óssea da anca e dor na anca/virilha
  • Comparação de tratamentos para ombro congelado
  • Comprometimento da propriocepção cervical na dor no pescoço
  • Neurodinâmica vs Exercício para a Síndrome do Túnel do Carpo
  • Teste de movimento segmentar para dor lombar
  • Intervenções de exercício para adultos mais velhos
  • Estratégias de exercício para prevenir lesões musculares
  • Uma nova definição de dor – implicações para a prática
  • Minimizar o desconforto do treino de restrição do fluxo sanguíneo
  • Tratamento da dor lombar em atletas

📚 Mantenha-se na vanguarda da investigação em fisioterapia!

📆 Todos os meses a nossa equipa de peritos divide a investigação clinicamente relevante em resumos de cinco minutos que pode aplicar imediatamente na prática clínica.

🙏🏻 Experimente agora as nossas Revisões de Investigação, grátis durante 7 dias!

preview image

Não te esqueças de compartilhar este blog!

Deixa um comentário

Se tiveres alguma questão, sugestão ou algum link de uma investigação relacionada com o tema, partilhe abaixo!

Deves estar com o login feito para publicar ou gostar de um comentário.

Aumenta o teu Conhecimento Todos os Meses

Acede gratuitamente a blogues, infogréficos, revisões de pesquisa, podcasts e mais