Como aperfeiçoar a tua avaliação da dor lombar no atleta

9 - minutos de leitura Publicado em Lombar
Escrito por Dr Jahan Shiekhy info

A dor lombar é uma das principais queixas músculo-esqueléticas em todo o mundo, mas a dor lombar dos atletas requer uma avaliação especializada devido às suas características únicas. Em primeiro lugar, os atletas têm a pressão de regressar rapidamente a níveis elevados de performance física. Enquanto a maioria dos episódios de dor lombar se resolve em 6-12 semanas, muitos atletas tentam voltar a jogar muito mais cedo. Outra caraterística única é o facto de os atletas se situarem provavelmente no lado mais afastado da curva em forma de “U” do exercício e da dor lombar. Enquanto a falta de atividade física é um fator de risco para a lombalgia na população sedentária, a lombalgia atlética pode resultar de demasiada atividade física ou de picos de atividade.

Por último, quando um atleta tem dores lombares, normalmente não se pode dar ao luxo de se tornar sedentário durante o seu processo de reabilitação. Têm de manter a sua forma física o melhor possível para poderem regressar em segurança aos treinos e ao desporto. Tendo em conta estas características, a nossa avaliação inicial deve dar-nos um diagnóstico de base, uma decisão inicial sobre o encaminhamento e um calendário para a recuperação (incluindo a forma de treinar durante esse período).

Se está interessado em ver como um especialista de renome mundial avalia a dor lombar atlética, não deixes de consultar a Cursos Práticos da Kellie Wilkie, na Physio Network no qual baseei este blogue. Com as Cursos Práticos, podes ver exatamente como os melhores especialistas avaliam e tratam condições específicas – para que possas tornar-te um melhor profissional de saúde, mais rapidamente. Sabe mais AQUI.

Exame subjetivo

Descrição dos sintomas

A descrição dos sintomas fornece uma grande quantidade de informações que nos ajudam a chegar a um diagnóstico. A maioria dos fisioterapeutas pergunta habitualmente sobre os tipos de dor e os sintomas neurológicos (por exemplo, dormência e formigueiro nas extremidades). Outra caraterística em que a Kellie se concentra é a “forma” da dor. Normalmente, uma distribuição da dor na linha dos dedos é representativa da dor radicular, enquanto que uma distribuição mais alargada na largura da mão é mais provável que seja uma dor somática referida. Muitas vezes, os pacientes com radiculopatia apresentam ambas. Para além disso, apontar para a dor no sacro pode indicar dor nas articulações do joelho ou dor radicular em L5/S1. Os pacientes com dor na articulação sacroilíaca descrevem como agravantes as atividades que envolvem a posição unipedal.

História do treino/desporto

O desporto que o atleta pratica e os seus padrões de movimento ajudam-nos a determinar possíveis causas de dor. Por exemplo, os desportos que envolvem flexão repetitiva, como o ciclismo e o remo, estão frequentemente correlacionados com patologias relacionadas com o disco. Por outro lado, os movimentos repetitivos de extensão, como os observados na ginástica ou no basebol, envolvem normalmente a zona interarticular e/ou as articulações facetárias. A compreensão das estruturas provavelmente envolvidas ajuda-nos a aliviar a área afetada, orienta o tratamento e permite o treino com movimentos não provocadores.

Além disso, é necessário examinar a história de treino do atleta para compreender quais os fatores de treino que podem ter levado a este episódio de dor lombar. Sabemos que um pico de carga de treino está relacionado com o aparecimento da dor, enquanto a manutenção de cargas de treino elevadas é, na verdade, protetora.

image

Avaliação dos sinais de alerta vermelhos e amarelos

Outra parte crucial do exame subjetivo é a avaliação dos sinais de alerta vermelhos e amarelos. Os sinais de alerta, como a dor noturna persistente ou as alterações nos intestinos/bexiga, provavelmente exigirão o encaminhamento para um médico para uma avaliação mais aprofundada. Durante a avaliação subjetiva, também podemos detetar sinais de alerta amarelos, como a sensibilização à dor e fatores psicossociais que podem afetar a recuperação. Por exemplo, se um atleta tiver tido repetidos episódios de dor lombar, pode ser necessário avaliar melhor este aspeto na parte objetiva do exame.

Para obter uma explicação completa sobre a avaliação de sinais vermelhos e amarelos, consulte a Cursos Práticos da Kellie Wilkie, na Physio Network.

 

Exame objetivo

Uma consideração crucial para a avaliação objetiva é mantê-la concisa. Não queremos agravar desnecessariamente a condição de um atleta já com dores. Haverá tempo, em sessões futuras, para efetuar uma avaliação mais aprofundada. Além disso, em casos de dor lombar intensa, certas medições podem nem sequer nos dar informações exatas, uma vez que a dor pode alterar as capacidades de movimento de um atleta (por exemplo, devido à regulação positiva de certos grupos musculares).

Amplitude de movimento lombar

A amplitude de movimento lombar em pé indica-nos como o controlo motor se alterou e informa o nosso diagnóstico de base. Em primeiro lugar, analisamos a qualidade do movimento. Por exemplo, na flexão para a frente, o atleta desloca o peso posteriormente e obtém uma flexão segmentar completa? Ou articula a anca e tenta evitar a flexão da zona lombar? Ao observarmos estes movimentos, a reação do atleta à dor pode sugerir possíveis estruturas envolvidas. A flexão lombar tende a agravar o disco, enquanto a extensão tende a agravar a zona interarticular e as patologias das articulações facetárias.

No entanto, como a Kellie explica no vídeo abaixo da sua Cursos Práticos, a dor com a extensão também pode estar relacionada com uma grande protuberância discal ou mesmo com uma rotura do anel fibroso.

Clique em configurações “legendas” Português para assistir com legendas em português.

Exame neurológico

Para além da avaliação do movimento lombar, também é necessário avaliar a função neurológica. Começamos com testes básicos de dermatomas, miótomos e reflexos. Kellie salienta que, para melhorar a eficiência dos testes dos miótomos, podemos utilizar avaliações como a marcha sobre o calcanhar e sobre os dedos dos pés, que eliminam a necessidade de testes musculares manuais desses miótomos.

Em seguida, efetuamos a elevação passiva da perna direita (straight leg raise test), onde examinamos a provocação dos sintomas e verificamos quando ocorre resistência ao movimento, como explica Kellie neste vídeo da sua Cursos Práticos.

Clique em configurações “legendas” Português para assistir com legendas em português.

Se o test straight leg raise for negativo, pode ser efetuado o teste slump. Avaliamos tanto a provocação dos sintomas como a amplitude de movimento, em que o normal é atingir -20 graus de extensão do joelho (20 graus abaixo da extensão total do joelho).

Uma vez que a elevação da perna esticada se concentra nos segmentos L4-S1, pode ser necessário incluir o teste de flexão do joelho (knee bend test) (por vezes referido como teste de tensão do nervo femoral) para avaliar as raízes nervosas L2-L4.

Por último, o sinal de Kemp pode ser utilizado para avaliar a contribuição das articulações facetárias e da estenose espinhal para a dor de um atleta.

Amplitude de movimento da coluna torácica e da anca

A avaliação da amplitude de movimento das ancas e da coluna torácica ajuda-nos a identificar quaisquer défices de mobilidade que possam estar a diminuir a eficiência do movimento. As ancas e a coluna torácica são mais adequadas para a mobilidade, enquanto a coluna lombar é mais adequada para a estabilidade e transferência de força. Quando não temos mobilidade nestas áreas, é provável que tenhamos movimentos menos eficientes em desportos que exijam um funcionamento próximo da amplitude final. Por exemplo, os remadores necessitam normalmente de 130 graus de flexão da anca e os ciclistas de 115 graus, pelo que ter uma reserva de flexão da anca será útil para estes atletas.

Neste vídeo da Cursos Práticos da Kellie, podes ver como ela avalia a flexão da anca.

Clique em configurações “legendas” Português para assistir com legendas em português.

Da mesma forma, a extensão da anca é crucial para atletas de lançamento, ginastas ou qualquer atleta que necessite de exprimir grandes graus de extensão. A rotação torácica também é importante, especialmente para nadadores ou lançadores, que efetuam movimentos repetitivos de extensão-rotação.

“Borrões” somatossensoriais

Se um atleta apresenta dor persistente, devemos avaliar a presença de “borrões” somatossensoriais. Isto refere-se a alterações ao nível do córtex na representação de uma área dolorosa e pode afetar o controlo motor. Uma avaliação dessas alterações neurais é o teste de discriminação de 2 pontos na região lombar. Também podemos avaliar a capacidade do atleta para identificar letras/números traçados na zona dolorosa, se suspeitarmos de “borrões” somatossensoriais. Estes exames objetivos podem então ser repetidos para mostrar o progresso ao atleta.

 

Conclusão

A avaliação da dor lombar atlética deve dar-nos um diagnóstico de base, uma decisão inicial sobre o encaminhamento e um calendário de recuperação. Após a avaliação inicial, podemos encaminhar para uma avaliação mais aprofundada, iniciar conversas sobre o regresso ao desporto e modificar o treino.

Para saber muito mais sobre a avaliação da dor lombar atlética e ver exatamente como um especialista faz a sua avaliação, não deixes de consultar a fantástica Cursos Práticos de Kellie, na Physio Network.

👩‍⚕️Queres uma maneira mais fácil de desenvolver as tuas competências de avaliação e de tratamento?

🙌 Os nossos cursos práticos são a solução perfeita

🎥 Eles permitem ver como os melhores especialistas avaliam e tratam condições específicas

💪 Tornar-te-ás de forma mais rápica um melhor profissional

preview image

Não te esqueças de compartilhar este blog!

Deixa um comentário

Se tiveres alguma questão, sugestão ou algum link de uma investigação relacionada com o tema, partilhe abaixo!

Deves estar com o login feito para publicar ou gostar de um comentário.

Aumenta o teu Conhecimento Todos os Meses

Acede gratuitamente a blogues, infogréficos, revisões de pesquisa, podcasts e mais