Exercícios para a Síndrome do Stress Tibial Medial (também conhecida como “Dores nas Canelas”)

9 - minutos de leitura Publicado em Perna
Escrito por Tom Goom info

É fácil falar de uma forma geral sobre a reabilitação, “fortalecer x,y e z”, melhorar o controlo dos movimentos, etc., mas muitas vezes não explicamos exatamente o que isso significa. O blogue de hoje é um breve resumo de um programa de exercícios que utilizei recentemente para um paciente com Síndrome do Stress Tibial Medial e o que pensei por detrás disso.

O paciente, neste caso, é um jovem corredor de média distância do sexo masculino chamado Ben. Nesta fase, não tem dores em todas as atividades diárias e corre até 40 minutos sem sintomas. Progrediu bem desde a sessão inicial, em que até correr no mesmo sítio era doloroso. No entanto, as corridas mais longas, superiores a 45 minutos, causam algum desconforto na região medial da tíbia. Este tem sido um problema recorrente e o objetivo do Ben é voltar a treinar em força sem estes sintomas. O Ben está a reintroduzir gradualmente sessões de alta intensidade com a orientação do seu treinador de corrida e está a conseguir gerir bem a situação. A avaliação revela uma ligeira fraqueza dos músculos solhar, glúteo médio e músculos da cadeia posterior. O controlo do equilíbrio com uma só perna e do single leg dip é bom e igual à esquerda e à direita. O Ben trabalha com um treinador de força e condicionamento físico, frequenta o ginásio 3 dias por semana e está interessado em ter uma série de exercícios para trabalhar.

Em termos gerais, os nossos objetivos são os seguintes:

  • Melhorar a capacidade de carga local na zona da barriga da perna
  • Melhorar a capacidade de carga da cadeia cinética, considerando os principais músculos que ajudam a gerir a carga
  • Incluir exercícios de suporte de peso para melhorar a capacidade de carga óssea

Assim, o programa do Ben tem o seguinte aspeto:

image

Vamos analisar cada exercício.

1. Step ups

Simples mas muito eficaz! Os step ups atingem níveis elevados de atividade do Glúteo Máximo (Reiman et al. 2012), para além de trabalharem o Glúteo Médio e proporcionarem um desafio propriocetivo. Os músculos dos glúteos são vitais para absorver a carga durante a fase de apoio da corrida. Este exercício é o primeiro devido à questão do controlo; a realização deste quando estiver cansado dos outros exercícios pode comprometer a qualidade do movimento. É fácil de progredir ou adaptar para se adequar à evolução das necessidades do paciente.

2. Soleus squat

Uma boa opção isométrica que irá desafiar os músculos solhar e quadricípite – dois músculos vitais para absorver a carga durante a corrida. Hamner et al. (2010) descobriram que o quadricípite é o maior contribuinte para o apoio.

3. Bent leg calf raise

Um desafio significativo para a zona da barriga da perna, especialmente o músculo solhar. No SSTM, pensa-se que o solhar é particularmente importante, uma vez que ajuda a reduzir a força de flexão que a tíbia sofre durante o impacto, o que se pensa ser fundamental para o desenvolvimento de lesões ósseas por stress (Warden et al. 2014).

4. Single leg soleus bridge

Note que esta ponte é feita com o antepé na borda de um degrau. O objetivo é 1) alongar a alavanca para desafiar a cadeia posterior e 2) trabalhar o solhar (novamente!). A carga do solhar pode ser relativamente baixa, no entanto, isto irá desafiar o glúteo máximo e os isquiotibiais. Os isquiotibiais são mais ativos durante a fase oscilante, mas também contribuem para a fase de apoio através da co-contração com o quadricípite.

5. Hip hitches (também conhecido como ” Pelvic Drop “)

A avaliação do Ben revelou uma fraqueza dos glúteos médios e esperamos resolver este problema. Os estudos EMG sugerem níveis elevados de atividade dos glúteos médios e podemos usar isto para enfatizar uma “anca livre e elevada” para ajudar a reduzir a inclinação pélvica durante a carga. A adição de carga na mão oposta é uma progressão simples.

6. Straight leg calf raises

Estes exercícios reforçam os gémeos e o solhar. Como indicado acima, ter a zona da barriga da perna forte é importante para reduzir a carga óssea no SSTM. O Ben é um forefoot striker (contacto do antepé no solo durante a corrida) e a investigação indica cargas mais elevadas para a zona da barriga da perna neste grupo (Almonroeder et al. 2013). Queremos garantir que ele tem a força adequada para gerir esta carga.

7. Side lying leg lift

Este exercício trabalha os glúteos médios com uma atividade mínima dos flexores da anca (McBeth et al. 2012). É um exercício bastante simples para o fortalecimento isolado dos glúteos médios. Trabalhamos os glúteos num exercício onde o controlo da anca e do joelho está incluído (step up) e onde o movimento pélvico é controlado (o hip hitch), agora estamos a isolá-lo e a tentar trabalhar até à fadiga para estimular ganhos de força. Incluo este exercício no final porque, depois de trabalhar os glúteos até à fadiga, o controlo de outros exercícios torna-se muito difícil!

Demos ao Ben algumas indicações de repetições e séries, mas também sugerimos que trabalhasse até à fadiga em cada série. Atualmente, o intervalo de repetições é cerca de 8 a 15 repetições. Estamos a utilizar a fadiga aqui como um método para garantir que ele está a fazer uma carga suficiente. Se o Ben não estiver a atingir a fadiga dentro deste intervalo, precisa de tornar o exercício mais difícil, adicionando carga, aumentando a amplitude ou aumentando o tempo sob tensão. Também sugerimos ao Ben que trabalhe as pernas de forma alternada – trabalhe até à fadiga na perna direita e depois exercite a esquerda enquanto a direita recupera.

Aqui, a comunicação é importante – o Ben está satisfeito com os seus exercícios e com a forma de progredir em cada um deles. Também os discutimos com o seu treinador de força e condicionamento, e mantivemos o seu treinador de corrida a par dos seus progressos e tolerância à carga, para podermos trabalhar em conjunto como uma equipa integrada.

Como mencionei na imagem do exercício acima, esta não é uma fórmula para o SSTM, mas apenas um exemplo dos exercícios de um paciente e a razão pela qual os utilizámos. A reabilitação do Ben é analisada, adaptada e aperfeiçoada em cada sessão e faz parte de um programa de gestão abrangente que inclui a formação do atleta, o treino da marcha e um regresso gradual à corrida.

Penso que não há uma forma correta e uma forma errada de prescrever exercícios, mas é bom ter um processo de raciocínio e estar aberto ao feedback. Pedi a um bom amigo meu, Sam Blanchard (@SJBPhysio_Sport), que desse a sua opinião sobre o programa. O Sam é o chefe da fisioterapia de reabilitação do Rochester Amerks, tem um excelente blogue e publicou uma grande investigação sobre a seleção e progressão do exercício. Ele levantou 3 pontos-chave;

  1. Não é necessário trabalhar até à fadiga para ficar mais forte e é preciso ter em conta o impacto do trabalho até à fadiga na corrida e noutras sessões de treino. Ao gerir o treino consecutivo, a evidência sugere que não trabalhar até à fadiga pode ser preferível para obter ganhos de desempenho. No entanto, é importante notar que a maioria desta investigação é desenvolvida em indivíduos saudáveis, sem lesões.
  2. Pensa-se que a fadiga muscular é um fator chave no desenvolvimento de lesões ósseas por stress. É possível trabalhar a propriocepção ou fortalecer os glúteos num estado de fadiga, o que pode simular as características de carga durante corridas mais longas.
  3. O trabalho de impacto pode ser adicionado como uma progressão para melhorar a capacidade de carga óssea e a rigidez ativa na zona da barriga da perna.

O Sam faz algumas observações excelentes e eu concordo, em particular, que é importante encontrar um equilíbrio entre a reabilitação e a corrida. Trabalhámos com os treinadores de força e condicionamento, e de corrida do Ben para desenvolver um programa que permita uma recuperação adequada entre as sessões de força e de corrida. Além disso, o Ben adicionou recentemente exercícios pliométricos de baixo nível ao seu programa de reabilitação, com ênfase no impacto controlado e confortável. O Sam acertou em cheio!

Considerações finais: a prescrição de exercício para o SSTM e outras lesões requer uma abordagem individualizada, considerando como, quando e onde o atleta pode efetuar a sua reabilitação. É também essencial que o atleta saiba por que razão o está a fazer e como o ajudará a atingir os seus objetivos. Nem todos os pacientes querem um programa extenso; de facto, em muitos casos, 3 ou 4 exercícios-chave podem ser muito eficazes. Se prescreveres exercícios, experimenta fazer um dos programas que forneceste durante uma semana – é muito mais difícil do que pensas! O meu último ponto é fundamental…

…a prescrição de exercícios é uma questão de raciocínio e não de fórmulas!

Se quiserem partilhar um exemplo de exercícios que tenham utilizado para um corredor e o raciocínio que lhes está subjacente, enviem as vossas ideias para mim, tom@running-physio.com e nós apresentaremos as melhores no site!

Este artigo foi originalmente publicado no website do Tom Goom. Podes clicar aqui para ler mais blogues dele.

📚 Mantenha-se na vanguarda da investigação em fisioterapia!

📆 Todos os meses a nossa equipa de peritos divide a investigação clinicamente relevante em resumos de cinco minutos que pode aplicar imediatamente na prática clínica.

🙏🏻 Experimente agora as nossas Revisões de Investigação, grátis durante 7 dias!

preview image

Não te esqueças de compartilhar este blog!

Deixa um comentário

Se tiveres alguma questão, sugestão ou algum link de uma investigação relacionada com o tema, partilhe abaixo!

Deves estar com o login feito para publicar ou gostar de um comentário.

Aumenta o teu Conhecimento Todos os Meses

Acede gratuitamente a blogues, infogréficos, revisões de pesquisa, podcasts e mais