Loading the Elevenlabs Text to Speech AudioNative Player...

Os “joelhos que se beijam” aumentam o risco de lesão do LCA?

5 - minutos de leitura Publicado em Joelho
Escrito por Physio Network info

Um estudo recente teve como objetivo explorar a associação entre o movimento interno do joelho e o risco de futuras lesões sem contacto do LCA em atletas femininas de elite.

Analisámos este estudo na última edição das nossas Research Reviews – onde os especialistas do setor analisam os estudos mais recentes e clinicamente relevantes, para aplicação imediata na clínica.

O que vais ler abaixo é um excerto do artigo.

Gostas do conteúdo destas Revisões de Investigação? – Sabe mais AQUI

 

De volta ao estudo!

 

TÍTULO DO ESTUDO: Diga adeus aos ‘joelhos que se beijam’: nenhuma associação entre o movimento interno do joelho no plano frontal e o risco de futuras lesões sem contato do LCA em atletas femininas de elite – Nilstad et al (2021)

Estudo analisado por Travis Pollen na edição de junho de 2021 das Research Reviews

Pontos-chave do estudo

  • Este estudo não mostrou associação entre o movimento interno do joelho num salto vertical de duas pernas e agachamento de uma perna e lesão sem contacto do LCA.
  • No entanto, resta saber se o movimento interno do joelho nunca deve ser considerado motivo de preocupação ou se ainda não encontrámos o teste correto para o avaliar.

 

Contexto e Objetivo

O debate sobre se os testes de rastreio pré-época são úteis para identificar o risco de lesão do LCA tem persistido durante anos, devido, em parte, a resultados contraditórios na investigação. Por conseguinte, o objetivo deste estudo foi determinar se existia uma associação entre o movimento do joelho para dentro, no salto vertical com duas pernas e no agachamento com uma perna e a futura lesão sem contacto do LCA, numa grande amostra de atletas femininas de elite.

 

Métodos

Durante um período de 8 anos, os investigadores rastrearam 880 atletas de elite de andebol e futebol feminino nas suas pré-épocas e registaram lesões sem contacto duas vezes por ano. O rastreio incluiu gravações de vídeo 2D de um salto vertical com duas pernas (a partir de uma caixa de 30 cm) e de agachamentos com uma perna. A partir do vídeo, os investigadores analisaram diversas variáveis cinemáticas da anca e do joelho correspondentes ao movimento do joelho para dentro (ver Figura 1).

image

 

Resultados

Das 880 atletas, houve 74 lesões do LCA sem contacto ao longo do estudo. Não houve diferenças significativas entre as atletas lesionadas e não lesionadas em nenhuma das medidas de movimento interno do joelho (p > 0,05), e tamanhos de efeito pequenos (d de Cohen < 0,27).

 

Limitações

Cada atleta deste estudo foi avaliada uma vez e depois acompanhada devido a lesões ao longo de várias épocas. O tempo médio entre a avaliação e a lesão foi de 434 dias, sendo que >60% das lesões ocorreram mais de um ano após a avaliação. Com tanto tempo entre a realização dos testes e a lesão, levanta-se a questão de saber se os dados de rastreio das atletas ainda refletiam a sua funcionalidade na altura da lesão.

Implicações clínicas

Estudos anteriores que demonstraram que o movimento do joelho para dentro aumentava o risco de lesão sem contacto do LCA (por exemplo, Hewett et al., 2005) foram limitados por amostras relativamente pequenas e por um número reduzido de lesões, o que aumenta o risco de resultados duvidosos. A grande dimensão da amostra e o número de lesões neste estudo aumentam a nossa confiança de que os resultados nulos não são um erro estatístico.

Embora os autores sugiram que “digamos adeus aos ‘joelhos que se beijam'”, não devemos alargar demasiado as conclusões. Dado que a amostra foi constituída por atletas femininas de elite de andebol e futebol, devemos ser cautelosos na generalização dos resultados para o sexo masculino, atletas não de elite e outros desportos.

Além disso, este estudo apenas investigou dois movimentos: um salto vertical com duas pernas, que não é específico para o contexto das lesões do LCA com uma perna só; e agachamentos com uma perna só, que não são específicos para a velocidade e carga das lesões do LCA. A investigação prospetiva sobre saltos verticais com uma só perna e manobras de corte é crucial para aprofundar a nossa compreensão da importância do movimento interior do joelho nas lesões do LCA.

image

Eis o perfil deste artigo na nossa edição de junho.

 

Queres poupar tempo e não ter de percorrer pilhas intermináveis de estudos?

Deixa-nos fazer o trabalho duro por ti!

Todos os meses resumimos 12 dos mais recentes e clinicamente relevantes estudos em fisioterapia, para aplicação imediata na clínica.

Aqui estão os outros 11 estudos que analisámos na nossa edição de junho que acabou de ser publicada:

  • Diagnóstico de Radiculopatia Cervical
  • Teste de retorno à prática após tratamento da lesão de Bankart
  • Exercícios de estabilização versus exercícios de flexão para espondilolistese
  • Regresso ao desporto após fraturas do metacarpo e da falange
  • O exercício deve ser doloroso para pacientes com dor crónica?
  • Terapia manipulativa espinhal para dor lombar crónica
  • Efeito dos rótulos de diagnóstico para distúrbios da coifa dos rotadores
  • Treino de resistência e potência para prevenir a fragilidade
  • Os testes clínicos podem identificar corredores resistentes a lesões?
  • Efeito das atitudes/crenças dos fisioterapeutas sobre a dor lombar
  • Postura do pé e amplitude do tornozelo na dor plantar do calcanhar

📚 Mantenha-se na vanguarda da investigação em fisioterapia!

📆 Todos os meses a nossa equipa de peritos divide a investigação clinicamente relevante em resumos de cinco minutos que pode aplicar imediatamente na prática clínica.

🙏🏻 Experimente agora as nossas Revisões de Investigação, grátis durante 7 dias!

preview image

Não te esqueças de compartilhar este blog!

Deixa um comentário

Se tiveres alguma questão, sugestão ou algum link de uma investigação relacionada com o tema, partilhe abaixo!

Deves estar com o login feito para publicar ou gostar de um comentário.

Aumenta o teu Conhecimento Todos os Meses

Acede gratuitamente a blogues, infogréficos, revisões de pesquisa, podcasts e mais